sexta-feira, 18 de junho de 2010

QUE FAREMOS SEM ESTE LIVRO?

José Saramago era um livro escondido numa ilha; talvez nunca fechado este livro, porque tem o vento a folhear e refolhear as manchas de impressão, páginas de um lado para o outro: uma palmeira com traços a espetar o ar pesado de sal, resquícios de cinzas, vulcão e tesouras (com elas estas aquelas a limar vírgulas e clarezas). Não se veem mais pegadas de elefantes na ilha, só olhares esguios para o que não vai ser dito.

7 comentários:

  1. emocionante o que escrevestes, Miguel... e que bela imagem. o que não vai ser dito e que para sempre será ecoado.

    um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Muito poético. Emocionante suas palavras!

    ResponderExcluir
  3. Carmen, sua complementação é um eco necessário e justo.

    Carla, minha emoção é sua.

    agradeço o diálogo.

    ResponderExcluir
  4. eu senti imensamente a morte deste ícone e com certeza minha vida terá menos poesia após sua morte. não apenas a minha, a de todos nós... as palavras não ditas realmente vão deixar lacunas irreparáveis!

    ResponderExcluir
  5. Saramago deixou um legado que nos inspira ao lermos e ainda deixará o resultado da sua poesia que ficará em nós, influenciando nosso íntimo poético.

    ResponderExcluir